Seg. à Qui.: 08h às 18h, Sex.: 08h às 17h

Incontinência urinária e a fisioterapia

Agosto 14, 2019 às 11:40
Incontinencia urinaria

A perda involuntária de urina, conhecida como incontinência urinária, é uma condição urológica bastante comum e que pode afetar homens e mulheres de todas as idades. Esta condição tem como fatores de risco a idade, além da obesidade, diabetes e doenças neurológicas principalmente. Embora não ameace a vida, a incontinência piora bastante a qualidade de vida das pessoas acometidas, trazendo diversos transtornos e limitações sociais, ocupacionais, sexuais e de autoestima.

A incontinência urinária pode se apresentar aos esforços (como tossir, espirrar, praticar esportes, etc...) ou como a incontinência de urgência, quando existe forte e súbito desejo de urinar, mas onde o indivíduo não consegue segurar até chegar ao banheiro. Há ainda a forma mista (incontinência aos esforços e de urgência) e também sintomas que podem acompanhar a condição como a frequência aumentada e a noctúria (acordar à noite para urinar).

Tais condições ocorrem devido a uma fraqueza da musculatura do assoalho pélvico que é o responsável pela continência urinária(esforços), e/ou pela falta de coordenação de contração do músculo da bexiga e da uretra(urgência), permitindo o escape de urina em momentos indesejados.

O tratamento de primeira linha para a incontinência urinária pode incluir medicamentos, fisioterapia e terapia comportamental, segundo as diretrizes da Sociedade Internacional da Continência. Numerosos relatórios científicos indicam a eficácia da fisioterapia no tratamento da incontinência urinária. Os relatórios mais recentes indicam que a fisioterapia tem um resultado positivo em até 80% dos pacientes com incontinência urinária de esforço no estágio leve e de forma mista, atingindo índices de até 50% dos pacientes com estágio mais avançado de incontinência.

A terapia comportamental e a fisioterapia têm como objetivo reeducar os hábitos miccionais e fortalecer os músculos do assoalho pélvico, através de exercícios específicos e individuais, melhorando assim a força de contração e coordenação desta musculatura.