Seg. à Qui.: 08h às 18h, Sex.: 08h às 17h

Transplante renal

Agosto 14, 2019 às 10:07
Transplante renal

O transplante renal é indicado quando um paciente tem insuficiência renal crônica, em estágio terminal, ou grau 5. Nessa situação, ele precisa de um tratamento para substituir a filtração do sangue já que seus próprios rins não conseguem mais realizar tal função. Atualmente, existem somente dois tipos de tratamento para a insuficiência renal crônica terminal, que são conhecidos como terapia renal substitutiva - a diálise ou o transplante renal.

Dentre as duas modalidades de terapia renal substitutiva, geralmente a diálise é o tratamento inicial, por ser o mais acessível para a maioria dos pacientes. Depois de algum tempo em diálise, o transplante renal passa a ser considerado o tratamento de escolha para muitos pacientes com insuficiência ou doença renal crônica estágio 5, porque a qualidade de vida e a sobrevida (expectativa de vida) são geralmente melhores do que nos pessoas que são tratadas somente com diálise. Além de viverem mais, as pessoas que fazem um transplante renal geralmente têm mais energia, uma dieta menos restrita e menos complicações do que se permanecerem na terapia com diálise. Em situações menos frequentes, o transplante renal pode até ser realizado antes de se iniciar o tratamento com diálise.

Portanto, o primeiro passo para saber se uma pessoa é candidata a transplante é conversar com a equipe de diálise, caso já esteja em tratamento dialítico. Ou com o médico nefrologista, caso ainda esteja em tratamento conservador para a insuficiência renal. Como nem todo paciente portador de insuficiência renal tem indicação ou condições de realizar transplante, a avaliação pelo nefrologista é fundamental. Caso o médico nefrologista concorde que o transplante de rim é o tratamento indicado para este paciente, ele o encaminhará a uma equipe especializada em transplantes.

A equipe especializada em transplantes é composta por nefrologistas que realizam a avaliação, a seleção, o preparo do paciente, o acompanhamento durante a cirurgia e fazem o tratamento com medicamentos imunossupressores por toda a vida do paciente. Também é composta por urologistas, que são os cirurgiões responsáveis pela realização da cirurgia e pelo acompanhamento no período pós-operatório.

Para realização do transplante renal, há necessidade de termos uma pessoa que doe o rim, que pode ser um doador vivo, geralmente um familiar ou um amigo. Quando não existe o doador vivo, o transplante pode ser realizado com um doador falecido, uma pessoa que teve algum acidente ou doença grave, que foi confirmado com morte cerebral, e que cuja família decidiu doar os órgãos.

No transplante com doador vivo, a cirurgia é realizada após a avaliação da dupla de doador-receptor pela equipe de nefrologistas e urologistas, não existindo necessidade de esperar em fila. A cirurgia é eletiva, ou seja, agendada com antecedência. A equipe cirúrgica irá operar o doador e o receptor, simultaneamente, geralmente em salas de cirurgia lado a lado. Uma equipe de urologistas irá remover o rim do doador, através de cirurgia por técnica laparoscópica, com ótimos resultados estéticos e funcionais. Enquanto outra equipe de urologistas prepara o receptor para receber o rim doado e realizará o transplante.

Quando não existe doador vivo, o candidato ao transplante precisa estar cadastrado na fila de espera de uma Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO). O ideal é que o médico nefrologista responsável pelo cadastrado pertença a equipe especializada em transplantes. A CNCDO, existente em cada estado brasileiro, é o órgão público que determina para qual receptor o órgão será oferecido. Se um paciente está em uma lista de espera para um receber o rim de doador falecido, ele precisa estar sempre atento e em condições de ir ao hospital para fazer a cirurgia de transplante assim que for informado que um rim está disponível. Isso pode acontecer a qualquer hora, e em qualquer dia. Dessa forma, o transplante será uma cirurgia de urgência, ou seja, não pode ser agendada com antecedência. A equipe de urologistas receberá o rim da CNCDO e realizará o transplante.

A Clínica de Urologia de Natal (CLIUN) tem a equipe de urologistas mais experiente na realização de transplantes renais, no estado do Rio Grande do Norte. Com mais de 20 anos de experiência na realização desses procedimentos, nossos médicos são considerados pioneiros nessa área. Atualmente é a equipe responsável pelos procedimentos de transplantes renais do Hospital do Coração de Natal.

Para garantir os melhores resultados, a CLIUN mantém uma equipe de urologistas disponível para a realização dessas cirurgias, durante todos os dias do ano. Nosso compromisso é realizar a cirurgia o mais precocemente possível, mantendo assim os melhores resultados. Estamos focados em um objetivo - melhorar a qualidade de vida dos pacientes que sofrem de doença renal terminal e insuficiência renal avançada, por meio do acesso ao transplante renal de qualidade no nosso estado.